quinta-feira, 16 de abril de 2009

Duplo homicídio mata Franco Ambrosio na Itália

por Rodrigo Mattar

A notícia sem dúvida será ofuscada pela legalidade dos difusores de Brawn, Williams e Toyota, mas fica o registro: o italiano Franco Ambrosio, de 77 anos e sua esposa Giovanna Sacco, três anos mais nova, foram assassinados em Posilippo, nas proximidades de Nápoles, golpeados gravemente na cabeça. E o que esse crime tem a ver com a Fórmula 1?



Simples: Franco Ambrosio foi patrocinador de um piloto - Renzo Zorzi - e de uma equipe de Fórmula 1 nos anos 70, a Shadow. Conhecido pelos seus negócios na área financeira, ele seria um dos patrocinadores da Arrows na temporada de 1978 - o nome da equipe era formado pelo acrófono de A (Franco Ambrosio), R (Alan Rees) - com a letra dobrada, O (Jackie Oliver), W (Dave Wass) e S (Tony Southgate), todos dissidentes da Shadow, de onde saíram após uma briga com Don Nichols.


Mas Ambrosio acabou preso no início daquele ano e não pôde fazer parte do projeto. Seu nome foi envolvido também no escândalo da loja maçônica P2, na Itália, um dos pivôs da morte do Papa João Paulo I (Albino Luciani), 33 dias depois de assumir o posto ocupado por Paulo VI.


A Arrows, cujo modelo A1 era uma cópia fiel do Shadow DN9 - afinal de contas, Tony Southgate concebeu ambos os projetos - veio para o GP de estreia no Brasil com o carro totalmente branco e o patrocínio de última hora da Varig. Só na corrida dos EUA, em Long Beach, com a chegada do alemão Rolf Stommelen em um segundo carro, a Warsteiner iniciou um apoio que só terminaria em fins de 1980.


Depois de preso e libertado, Ambrosio envolveu-se em outro escândalo: o da fazenda Italgrani, líder na produção de grãos e cereais na Itália, da qual desviou aproximadamente US$ 10 milhões. Em razão do desfalque, foi preso novamente e condenado a nove anos de cana, sem sursis.


Hoje, num 15 de abril como outro qualquer, a conturbada vida de Franco Ambrosio teve um fim - que muitos hão de dizer à altura de todos os seus atos como empresário e banqueiro.

Nenhum comentário: