segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Massa não é apenas um grande piloto


por Livio Oricchio

Há derrotas em que a torcida do seu ídolo sai do autódromo, estádio, ginásio, seja lá o que for, de cabeça erguida. Doída, claro, pela perda da vitória ou título, mas feliz, orgulhosa de seu piloto, equipe. Acabara de demonstrar sua imensa capacidade e altivez, elegância para ver o adversário celebrar a conquista e ainda elogiá-lo, reconhecendo a perda.

Mas deixou no ar um certo ar de superioridade técnica. As circunstâncias, o desenrolar do campeonato, nas etapas anteriores, é que acabaram por comprometer as possibilidades de, na última prova, estar numa condição matemática mais favorável para ser campeão.

Massa foi melhor do que todos, ontem. Venceu não apenas a corrida, mas a falta de credibilidade que parte da torcida ainda tinha quanto a seus verdadeiros dotes de piloto. Ficou claro que, definitivamente, dá para acreditar nele. Numa das corridas mais difíceis da temporada, cheia de mudanças de condições, asfalto molhado, seco, molhado, pouca e muita água na pista, safety car, o piloto da Ferrari não cometeu o mais leve erro.

Ganhou como um campeão. E se Timo Glock não tivesse perdido 19 segundos para Lewis Hamilton na última volta, por estar com pneus de pista seca na chuva, quem estava comemorando a conquista, agora, seria Massa. E quer saber de uma coisa? Sem dúvida nenhuma de quase ninguém na própria Fórmula 1, com todos os méritos. Se existe um piloto que evoluiu como talvez nenhum outro na história no mínimo das últimas décadas da competição é Massa.

Ficou no ar um gostinho de que se tivesse ficado com ele o título, ao menos pelo que realizou ontem, seria mais justo. Mas a maturidade de Massa se manifestou, também, depois de ouvir a dura informação de seu engenheiro, Rob Smedley, de que Hamilton havia passado Glock e, com o quinto lugar, era o campeão.

Mostrou a grandeza dos verdadeiros vencedores, ao dizer com enorme equilíbrio que deixava Interlagos de cabeça erguida, fez o que era possível - com que competência - e sentia-se orgulhoso de si próprio, da equipe e da torcida. Cumprimentou Hamilton e reconheceu que sua conquista foi merecida, sem controvérsias. É de gente como Massa que o Brasil precisa.

Nenhum comentário: