sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Hamilton pode até ser campeão domingo, mas emocionalmente Massa está na frente


por Livio Oricchio

Lewis Hamilton acusou o golpe nas duas vezes em que se viu envolvido na disputa do título: ano passado, em Interlagos, perdeu a posição depois da largada para Fernando Alonso, seu companheiro de McLaren, e na tentativa de ganhar a colocação de novo seguiu reto no Lago. Kimi Raikkonen começou a ser campeão nesse momento. Domingo, no GP do Japão, novamente na condição de concorrer direto pelo campeonato, Hamilton demonstrou mais descontrole emocional. Ao ser ultrapassado por Kimi Raikkonen, no início da corrida, tentou frear tão tarde no fim da reta que não fez a curva 1 e criou enorme confusão. Ontem não gostou de ser lembrado do seu histórico de equívocos nos momentos de tensão.

“Em primeiro lugar, no Brasil, ano passado, eu não tentei ultrapassá-lo (Fernando Alonso) e cometi um erro. Fernando estava do lado de fora (Reta Oposta), freou antes e para evitar bater nele fui obrigado a sair da pista, portanto não era uma tentativa de ganhar novamente a posição”, explicou Hamilton, visivelmente irritado. A respeito do ocorrido no circuito de Fuji, domingo, quando não marcou pontos apesar de largar na pole position, disse: “Foi uma manobra de corrida e não deu certo, automobilismo é isso, o que se pode fazer?”

A perda do título em 2007 e estar seguindo, agora, o que sugere ser o mesmo caminho não geram nenhuma preparação especial no piloto da McLaren. “Não planejo mudar minha forma de encarar as corridas, não vejo necessidade disso”, afirma Hamilton. “Um desempenho tão ruim como o último faz com que o deixemos para trás, sinto-me forte como sempre”, falou. “Temos ainda duas etapas pela frente, estou com cinco pontos de vantagem (84 a 79), disponho ainda de grande oportunidade para o próximo passo (ser campeão).”

Na realidade, Hamilton sente-se um tanto isolado na Fórmula 1. Sua postura depois do GP da Bélgica, em que se colocou numa condição superior aos colegas, criticando Raikkonen, somada ao seu comportamento agressivo demais na prova de Monza, recebendo até ameaças, como de Timo Glock, da Toyota, fazem com que não tenha grandes amizades na Fórmula 1.

Alonso, por exemplo, já declarou que se for possível ajudará Felipe Massa na luta pelo título. “Agora que a Renault voltou a ser competitiva dá para ser segundo ou terceiro, atrás de Felipe, o que é uma forma de tirar pontos do seu concorrente”, falou Alonso. Hamilton ouviu tudo sentado do lado. “Não disponho de tempo para pensar nisso, tenho coisas mais importantes para pensar”, respondeu Hamilton que, desta vez, está falando bem menos que nos outros fins de semana em que se deu mal.

Massa não concorda com essa história de que as possibilidades de Hamilton errar são maiores que as suas. “O fato de já ter acontecido isso antes não quer dizer que aqui será assim também, o Hamilton pode fazer tudo certo”, comentou Massa. Sua estratégia é uma só: “Estar sempre à frente do Hamilton. Largar na pole é uma forma de evitar alguns problemas que tivemos na última corrida”, lembrou. Na próxima madrugada (sexta-feira para sábado, das 3 às 4 horas, Massa terá a chance de tentar ser primeiro no grid do GP da China.

Nenhum comentário: